Pular para o conteúdo principal

A influencia de Rubens no meu amigo pintor

Ontem, fui ao Camocim objetivando entregar meu projeto de Pesquisa à minha orientadora. Por sorte a data foi prolongada. Sorte! Pois não havia revisado o projeto. Então da escola Georgina em direção aos loja no centro comercial para matar o tempo. Logo encontro o amigo Eliezer, pintor granjense residente naquela cidade desde o inicio de 2008. Cumprimentos feitos. Iniciamos um papo sobre pinturas e mercado local. Ele mim convidou para visitar sua residência e ver um quadro em fase de conclução para uma exposição no dia 22 de desse mês. Pulei na garupa da sua bicicleta vermelha e ele pedalou um bocado. Já está ficando de bunda duia quando Eliezer diz: É aqui! Era uma casa de calçada alta, pintura seminova, piso de cimento liso e um pouco emprensada entre as outras casas. Porém mil vezes melhor onde mora antes.

Eliezer foi lá dentro e trouxe o quadro que mim falara antes. Daí seguiu um longo dedo de prosa sobre luz, sombra, paleta, matiz, anatomia, pontos de fuga, sempre com os mestre do Barroco no referencial. Ticiano, Velásquez até chegar em Peter Paul Rubens, grande artista barroco. Neste momento Eliezer trazia recortes e páginas dos principais jornais do Estado com circulação na cidade. E chegou a confessar seu desejo de visitar a Exposição Rubens: o gênio do barroco e sua obra gráfica.

A alegria que se apossou de mim foi tamanha por ver um amigo realizar seus sonhos e provar sua capacidade de luta. Filho unico, Eliezer iniciou na pintura ainda na escola, depois começou pintar retratos na Granja, onde desenvolver bastante seu olhar artístico. E nos últimos anos tem dedicado horas de estudos, dentro dos limites físicos financeiros, aos trabalhos de pintores clássico. Pude comprovar isso no trato que ele teve ao comentar um recorte de uma gravura de Rubens, enfatizando os detalhes das cenas, os contraste de sombra-luz e a expressividade das personagens. E a motivação do amigo pintor nos fazer sentir pintor também.

Já passado um bom pedaço de tempo, despedi-me e caminhei um pouco até o ponto do pau-de-arará crente que ele não será um Rubens da vida. Mas ele vai pincelar e se vacilar Rubens ficará no chinelo!
Lira Dutra, Granja-Ce, 18-05-2008

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigo sobre história do nosso Ceará

Leia o artigo do prof. Francisco Pinheiro, Secretário de Cultura do Ceará.
De Siará a Ceará
O Dia do Ceará, comemorado hoje celebra a autonomia política e econômica em relação a Pernambuco. Isto não significou um processo revolucionário de ruptura política, todavia representa um momento importante para a então capitania, pois a partir desse momento o Ceará pôde realizar comércio direto com a metrópole (Portugal) e tornou-se administrativamente independente, livre da ingerência de Pernambuco.
O Decreto régio de 13 de junho de 1621 dividiu a colônia portuguesa em dois estados: estado do Maranhão e Grão-Pará e estado do Brasil. O Ceará tornou-se subordinado ao primeiro, e em 1656 o Ceará ficou subordinado a Pernambuco. Apenas em 17 de janeiro de 1799, através de uma carta régia, a coroa portuguesa tornou a capitania do Siará (bem como a Paraíba) independente de Pernambuco, podendo comercializar com a metrópole. Apesar dessa determinação não romper com as regras do pacto colonial – onde exis…

A conquista de um sonho

Não poderia ter chegado sem a parceria do amigo Pedro Magalhães.

Origem do carnaval e as escolas de samba

históriafonte: www.suapesquisa.com/carnaval

O carnaval é considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. Tem sua origem no entrudo português, onde, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. O entrudo acontecia num período anterior a quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece até os dias de hoje no Carnaval.

O entrudo chegou ao Brasil por volta do século XVII e foi influenciado pelas festas carnavalescas que aconteciam na Europa. Em países como Itália e França, o carnaval ocorria em formas de desfiles urbanos, onde os carnavalescos usavam máscaras e fantasias. Personagens como a colombina, o pierrô e o Rei Momo também foram incorporados ao carnaval brasileiro, embora sejam de origem européia

A primeira escola de samba surgiu no Rio de Janeiro e chamava-se Deixa Falar. Foi criada pelo sambista carioca chamado Ismael Silva. Anos mais tarde a Deixa Falar transformou-se na escola de samba Es…